skip to Main Content
21 3503-8333 / 3503-8300 comercial@vitalsaudeocupacional.com.br

Referências atuais do diagnóstico e prevenção da Endometriose

A endometriose é doença onde o endométrio, mucosa que reveste a parede interna do útero, acaba se estendendo em outras regiões do corpo. Em alguns casos os sintomas da doença estão relacionados a dores no período menstrual, infertilidade e dores nas relações sexuais.
A endometriose ocorre a partir da formação do tecido ectópico, ocorrendo normalmente na região pélvica fora do útero, incluindo os ovários, intestino, reto, bexiga, nervos e peritônio. Porém, esse tecido pode se estender de forma significativa em outras partes do corpo, como o diafragma, pleura e os pulmões.
A endometriose atinge uma a cada seis mulheres em período reprodutivo. Essa doença tem uma maior chance de ocorrer se houver casos na família.
Outro fator de importância é que embora a endometriose seja diagnosticada entre 25 e 35 anos, a doença provavelmente começa já alguns meses após o início da primeira menstruação.

Tipos de endometriose

Nesse contexto, a doença é classificada em alguns tipos, mas as mais comuns são:

Endometriose Superficial é um dos tipos mais comuns, e afeta todo o peritônio da pelve, uma membrana que recobre os órgãos dentro da barriga. Além disso, atinge a superfície dos ovários, das tubas, da bexiga e do próprio útero, e outros locais. Porém por ela penetrar apenas 5 milímetros da superfície, uma simples cauterização pode eliminá-la.
Já a endometriose profunda, como o próprio nome já diz, afeta o peritônio com mais de 5 milímetros de profundidade. Essa manifestação da doença acomete as regiões para cervicais (ao lado do colo uterino), intestino e ligamentos uterinos. A endometriose profunda é o tipo mais grave da doença, tendo em vista que os sintomas apresentados são mais intensos e frequentes.
E por último a endometriose no ovário, que se manifesta com cistos/nódulos, os quais se formam a partir do sangue que se aloja no local durante o ciclo menstrual. Dependendo do tamanho desses cistos/nódulos a mulher pode vir a ficar infértil. E para que o tratamento da doença seja eficaz, muitas vezes é necessário a remoção desses nódulos, para que o tratamento seja eficaz.

Causas e Fatores de risco

Os ovários todo mês, produzem hormônios que estimulam as células da mucosa do útero (endométrio) a se multiplicam para estarem preparadas para o recebimento do óvulo fertilizado. Aumentando o tamanho da mucosa e deixando ela mais espessa.
Se essas células crescem para fora do útero, surge a endometriose. O que difere das células normalmente encontradas dentro do útero, que são liberadas durante a menstruação, as células que formam a doença, permanecem fora do útero.
Porém, as causas da endometriose ainda não são totalmente claras, mas os estudos feitos levantam algumas possíveis causas para a doença:

– Menstruação retrograda;
– Crescimento de células embrionárias;
– Sistema imunológico deficiente.

Já os fatores de risco da doença estão associados a questão genética, pois a probabilidade aumenta seis vezes mais, do que as mulheres no geral que não apresentam nenhum caso na família.

Outros possíveis fatores de riscos são:

– Começar a menstruar muito cedo;
– Nunca ter tido filhos;
– Ciclos menstruais frequentes;
– Menstruações que duram muito, especialmente sete dias ou mais;
– Problemas como hímen perfurado, que bloqueia a passagem do sangue da menstruação;
– Anormalidades no útero.

Sintomas da endometriose

Os sintomas são variáveis e variam de acordo com o tipo e região acometida. Podendo ser: cólicas menstruais frequentes e intensas; dores abdominais fortes no período pré-menstrual; sangramento intenso e abundante durante a menstruação; presença de nódulos ou cistos na palpação abdominal; sensação de dor durante a micção; dor nas relações sexuais; constipação e dor intestinal; náuseas e vômitos durante os quadros mais graves de dor.

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico da doença pode ser feito por meio da descrição dos sintomas, ou também pode ser através do médico, que solicitará alguns exames. Os exames essenciais para o diagnóstico da endometriose são:
– Exame pélvico com toque vaginal e retal;
– Ultrassom especializado;
– Ressonância magnética;
– Laparoscopia.

O tratamento da doença pode ser feito através de algumas opções como: Medicamentos para controle da dor e minimização da progressão da doença, cirurgia para retirada das áreas afetadas pela endometriose e cirurgia radical – retirada dos dois ovários.
A doença não tem cura, mas todos os tratamentos podem causar alívio dos sintomas de forma parcial ou total acometidos pela endometriose por algum tempo ou até, para sempre.

Back To Top